sexta-feira, 9 de abril de 2010

Milano, uma deliciosa descoberta!

Vale à pena conhecer Milano? SIM. Centro da moda, design e, também, dos escândalos políticos, a capital italiana oferece uma sorte de oportunidades para os diversos tipos de turistas que invadem o País todo o ano.

.
Resolvi conhecer a cidade num final de semana, isto ainda dividindo um dia com o Lago di Como. Quem me conhece sabe que sempre fui resistente a metrópole italiana. Na minha cabeça, para conhecer arte e cultura que fosse nas outras regiões mais interessantes de Itália. Nada de perder tempo a versão italiana, reduzida e mais charmosa, de São Paulo. Fui, vi e quebrei a cara. Ainda bem! Com o pouco tempo que eu tinha me concentrei em conhecer três pontos mais interessantes naquele momento: Castelo Sforzesco, o Duomo e a Galeria Vitorio Emanuele II.
.

Duomo: Para mim é a mais bela catedral da Europa depois da Sagrada Família (Barcelona, Espanha). Com uma fachada gótica e várias torres erguidas em placas de mármore, que contam histórias bíblicas, a igreja impressiona. Iniciada em 1386, foram necessários quase quatro séculos para ser considerada concluída. O projeto arquitetado conseguiu impressionar até Napoleão que, após invadir a Itália, deu prosseguimento nas obras que estavam quase paradas. Atualmente, além de ponto turístico, o Duomo oferece uma das possibilidades de ter um belo panorama de Milano.

.
.

Galeria Vitorio Emanuele II: Gostei mais pela arquitetura clássica. O antigo prédio è o mais antigo shopping Center da Europa e concentra as mais importantes grifes italianas e mundiais. Fui, dei uma olhada básica e cheguei à conclusão que vale mais pela arquitetura do que pela proposta em si. Ótimo para quem esta com fome e fazer um pit stop em um dos tantos restaurantes do lugar. Ou, se o espírito è de mochileiro (e o bolso tbem) tem vários bares com propostas de lanches rápidos por menos cinco euro!

.
Castelo Sforzesco: Imagine um castelo medieval que serviu como palco de batalhas por vários séculos. Agora acrescente quatro torres e pense que foi influenciado pelo domínio Espanhol, austríaco e napoleônico. Pronto, falamos do maior castelo de Milano, Sforzesco. Entrar por uma de suas portas é como atravessar o tempo e voltar ao passado. Atualmente o castelo abriga exposições permanentes além de inúmeras mostras intinerantes. Quando eu fui havia exposição da obra Madame Butterfly com uma gigantesca estatua da personagem principal em um dos pátios internos.

.

Como eu disse, a visita foi rápida e serviu de aperitivo para voltar novamente. Desta vez vou planejar os detalhes para curtir mais. Allora, arivederci!

Um comentário:

Carol Lisboa disse...

Eu amei Milano! Realmente, quase vc passa dessa entrada do castelo, tem a sensação de voltar no tempo... aquele 'jardim' na parte de trás, cheguei a sentir as moças da época caminhando por ali.
O chato são os africanos que pertubam vendendo aquelas pulseirinhas...
Bjo